ATENÇÃO! 2a. EDIÇÃO DO LIVRO BASE DISPONÍVEL! NA LOJA VIRTUAL DA FEDF - clique na imagem

MEU IDIOMA

ptafarcazh-CNhrenfrdeeliwhiidgaitjakoplruesuk

CADASTRE-SE

SITES RELACIONADOS



PROGRAMA JORNADA FRATERNA
FORMAÇÃO BÁSICA EM ATENDIMENTO FRATERNO

ROTEIRO DE ESTUDO UM
PRIMEIRO ENCONTRO DO GRUPO DE FORMAÇÃO
OBJETIVO
      Realizar atividades de preparação para a Formação Básica em Atendimento Fraterno, incluindo o desenvolvimento do primeiro encontro e orientações sobre a dinâmica dos encontros posteriores do Grupo de Formação.
 
BOAS VINDAS AO TRABALHO!
               Querido Irmão, Querida irmã, Participante do Programa Jornada Fraterna,
               Paz constante em sua vida!
      Com o presente Roteiro começamos nossa jornada conjunta pelos conteúdos, reflexões e habilidades da formação em Atendimento Fraterno. Durante este primeiro encontro do Grupo de Formação, vamos organizar as atividades, estabelecendo principalmente um campo propício para nossos encontros futuros.

INÍCIO DO ENCONTRO
      Acolhimento - Caso alguma pessoa da Direção da Casa esteja presente a este início de atividades do Grupo, conceder a palavra a ela, para uma breve saudação.
     Orientações breves sobre a formação -
A pessoa que estiver coordenando este primeiro encontro deverá lembrar aos participantes pontos breves sobre o Programa de Formação, a metodologia que será empregada (Estudos Individuais preliminares e encontro do Grupo de Formação), os compromissos éticos e formais com o curso e o grupo e os materiais a serem utilizados. Se o Grupo estiver seguindo algum dos planos de curso propostos neste site, poderá examiná-lo, juntamente com o documento que orienta o desenvolvimento do conteúdo do Curso. (Menu: "Formação em Atendimento Fraterno" - páginas do "Desenvolvimento Formação - Etapa I").

          
ATIVIDADES DO PRIMEIRO ENCONTRO DO GRUPO DE FORMAÇÃO

PREPARAÇÃO PRELIMINAR INDIVIDUAL- Exercício de introspecção

    A pessoa encarregada de Coordenar o Grupo convidará os membros a um momento inicial de introspecção, que será realizado como se fosse o estudo preliminar do Roteiro (posteriormente a este primeiro encontro, o estudo de roteiro será feito em dia anterior ao do Grupo). O Coordenador dará as seguintes instruções:
  
    Sente-se de maneira confortável e recolha-se ao seu interior. Feche seus olhos. Tome algumas respirações profundas, de forma suave, asserenando o seu corpo e sua mente. Vou fazer uma pergunta e dar algumas instruções. Ouça as instruções até o final. Em seguida, vou repetir a pergunta. Você vai respondê-la mentalmente e anotar em seguida sua resposta. A pergunta é a seguinte:

 
“Nesta existência, qual é a maior qualidade
que eu tenho manifestado espontaneamente?”

      Quando eu repetir a pergunta, você vai ficar em silêncio mental e deixar que a resposta lhe venha sem esforço. Depois de encontrar o título da qualidade, pense em exemplos da manifestação dela em sua vida. Não se envergonhe de reconhecê-la. Por outro lado, não tente inventar. Todos nós possuímos alguma ou várias qualidades (ou seja, virtudes) que manifestamos desde a infância e que nos caracteriza(m). As pessoas ao nosso redor sabem e, embora seja mais comum que nos falem de nossos defeitos, alguns terão se manifestado a você, a respeito da(s) sua(s) qualidade(s). Se não houve ninguém, ou você não percebeu ou não se lembra, agora é hora de honrar a si mesmo, no reconhecimento de suas virtudes.  Anote suas conclusões sobre si mesmo.

     Repetir a pergunta e dar tempo para a introspecção e as anotações.

ATIVIDADES DE GRUPO
      Sugerimos as seguintes atividades para o encontro inicial do Grupo de Formação, deixando à livre escolha dos membros acrescentar outras que porventura desejem. As considerações e instruções para atividades sugeridas em cada item abaixo deverão ser lidas e posteriormente realizadas em grupo, neste primeiro encontro.

      1. Identificação de cada membro do Grupo. O objetivo nesse momento é que os membros do grupo iniciem ou aprofundem entre si uma relação de amizade, respeito e confiança, assim como de companheirismo advindo de um ideal comum.
      Os membros do grupo deverão, cada um a seu turno, apresentar-se uns para os outros, mesmo que já se conheçam. Essa identificação se fará de maneira bastante particular e informal.
     Por exemplo, ao chegar seu turno de se apresentar para o grupo, fale de você e de sua vida como se estivesse conversando com pessoas que você deseja que se tornem seus amigos íntimos. Comece pelo seu nome e dados pessoais (família, ocupação, interesses, trabalho que faz no espiritismo, etc). Para tornar mais interessante sua apresentação, você sabe o que significa seu nome? Se não souber, investigue para contar posteriormente aos companheiros (há informações na internet sobre origem e significado de nomes próprios). Depois focalize o exercício sobre a sua maior qualidade e expresse para o grupo, colocando alguma informação que corrobore a sua opinião sobre si mesmo, se quiser. Se você já é conhecido de todos nos aspectos formais da sua vida, experimente expressar um pouco de seus pensamentos e sentimentos, esperanças e ideais.
     Quando da apresentação dos outros participantes, oriente sua mente e seus sentimentos para uma postura interna de aceitação da fala de cada um (sem julgamento), treinando experimentar conscientemente simpatia, benevolência e calor humano. Deixe que essa atitude interna se reflita em suas expressões corporais e verbais. Mesmo que você sinta certa restrição interior pelo companheiro que fala, treine observá-lo e olhar para ele como se ele já fosse o ser de luz que, em essência, verdadeiramente é. Busque aspectos positivos no relato do companheiro e aponte-os quando tiver oportunidade. Se lhe surgir algum pensamento negativo, discipline-se para não expressá-lo. Seja verdadeiro nas observações positivas.

      Esses são comportamentos destinados a fomentar um campo vibratório de fraternidade entre os membros do grupo e devem ser observados em todos os encontros subsequentes.

      2. Identificação do Coordenador para o Grupo. Isto provavelmente já ocorreu em função da organização da Casa. Se não foi feito, poderá ser realizado neste momento, por qualquer método com o qual os membros do Grupo concordem. O designado para o posto coordenará a rotina dos encontros, os aspectos de progressão dos estudos e contatos com a direção do Centro sobre os trabalhos do Grupo, podendo contar com ajuda de outros membros quanto a prováveis registros e ações organizadas pelo grupo, inclusive as sociais, como comemoração de aniversários e outros...


      3. Escolha de nome para o Grupo e do Mentor ou Protetor espiritual. Sempre que nos organizamos para qualquer atividade positiva, especialmente para as de caráter espiritual, podemos contar com dois tipos, pelo menos, de protetor espiritual mais próximo: o nosso próprio Mentor ou Guia, que nos acompanha em nossos trabalhos e o do Grupo, como neste caso. Sabemos que na quase totalidade das circunstâncias, o trabalho que nos propomos realizar já foi planejado por nós – ou para nós - na espiritualidade e já contamos com um Benfeitor Espiritual quando o manifestamos na matéria. Criar uma ligação com esse Benfeitor auxiliará grandemente a progressão dos estudos, favorecendo as transformações espirituais de cada um.

      A propósito, o Espírito Benfeitor que nos acompanha e orienta na área do trabalho com a Terapêutica do Cristo, juntamente com sua equipe, há mais de quarenta anos, se denomina "Isidoro". Ele certamente continuará a exercer também seu trabalho protetor e elucidativo em relação a todos os integrantes do Programa Jornada Fraterna.

4. Entendimento da dinâmica dos futuros encontros do Grupo de Formação. Trata-se aqui de examinar a dinâmica que será utilizada durante todos os demais encontros do Grupo de Formação e esclarecer dúvidas sobre os propósitos mais amplos do Programa. Sugerimos que neste momento sejam examinadas as informações contidas neste site nas páginas "Grupos de Formação" e "Roteiros de Estudos".

5. Trabalho intencional de “criação de campo vibratório”. Um trabalho fundamental desse primeiro encontro será o do início da criação de um campo vibratório propício para o trabalho.
      No estudo do livro-base, você notará que enfatizamos a importância da formação intencional de um campo vibratório propício quando se deseja que uma atividade seja bem sucedida em seu desenvolvimento e positiva em seus resultados. Em vários pontos você verificará os conteúdos dessa conceituação e a importância com que a espiritualidade trata do assunto. Por hora, simplesmente anotaremos alguns pontos, para ressaltar a necessidade de atenção a essa criação do grupo.
     Isto porque todos nós vivemos imersos em campos de vibração, como peixes em um imensurável oceano de irradiações e campos organizados em sistemas. Cada um de nós, seres humanos, constitui um campo de manifestação que irradia vibrações de acordo com a qualidade da respectiva composição íntima. Assim também os vários níveis do que chamamos de realidade são compostos de campos vibratórios, dentro de campos, dentro de campos, dentro de campos, do nível macro para o micro e vice-versa. Esses campos se manifestam como “coisas” percebidas pelos nossos sentidos comuns, como uma cadeira, uma pessoa, um animal, ou como “organizações vibratórias” perceptíveis somente quando nos ligamos a elas através de nossas emanações. Estas últimas são, por exemplo, os campos do medo, da revolta, da desesperação, da culpa (criações vibratórias de qualidades sombrias) ou da serenidade, da paz, da fraternidade, da amizade, do Amor Crístico (criações de qualidades sublimadas). Portanto, você pode concluir que nunca nos encontramos a sós, pois que estamos sempre – inevitavelmente - conectados a campos vibratórios, trocando irradiações e imersos nelas.
     Em consequência, enfatizamos a necessidade da criação intencional de um campo vibratório de emanações tais que possibilitem a ligação com os campos sublimados do Cristo Consolador. Usufruiremos, então, da proteção dos Benfeitores Espirituais que atuam nesses campos e obteremos apoio e recursos espirituais pessoais para realizar em nós as transformações necessárias ao nosso trabalho de atendimento através da Terapêutica de Amor proposta por Jesus.
     Na verdade, todas as atividades anteriores que sugerimos até agora neste ‘Roteiro Um’ foram voltadas a criar um campo vibratório favorável, como as emanações de simpatia e fraternidade entre os membros e até mesmo as providências para a organização e o entendimento do Programa Jornada Fraterna e da atividade do Grupo. Agora passaremos à conexão intencional com o campo espiritual maior.
     Mais adiante em nossos estudos focalizaremos de forma mais pormenorizada como formar o campo mais amplo de nosso trabalho de Atendimento Fraterno.
      Por hora, será suficiente formar o campo espiritual do Grupo de Formação. Utilizaremos preces como um instrumental excelente para esse propósito. Que elas sejam dirigidas à Espiritualidade Maior, colocando os objetivos e a organização do grupo em conexão com as forças divinas, através de explicitação de intenções e solicitação de amparo e orientação. Elementos que podem ser incluídos, entre outros, são: pedido de bênçãos de Deus e do Cristo para os objetivos do Grupo; a evocação e o contato amoroso com o Orientador Espiritual de cada um e com o Mentor do Grupo; colocação íntima do propósito de cada um para sua Jornada Pessoal; pedido de proteção e amparo para que as eventuais dificuldades naturais da vida sejam ultrapassadas e não impeçam a continuação dos estudos; pedido de intuições positivas; afirmação dos propósitos de dedicação e uso da vontade para persistir nas metas colocadas; etc.
      A depender do tempo e da disposição do Grupo, uma prece mais extensa pode ser feita para criação do campo espiritual inicial e depois ser seguida de uma frase de louvor, agradecimento e/ou solicitação de cada um dos presentes.
      Música divina ambiente – em volume suave - funcionando como "pano de fundo" - facilitará a concentração e a ligação com vibrações sublimadas.

6. Pequeno momento social. Na dependência da disponibilidade, ao término do encontro inicial poderá ser servido um chá com bolachas, favorecendo um momento de trocas pessoais.

ENCONTROS SUBSEQUENTES
     As orientações fornecidas na página “Grupos de Formação”, no item “Dinâmica dos Encontros do Grupo de Formação” deverão ser seguidas em todos os encontros subsequentes. As atividades a serem desenvolvidas em cada encontro são orientadas pelos “Roteiros de Estudo” correspondentes.

SUA PRÓXIMA TAREFA:
    Tomar conhecimento e realizar as atividades individuais do “ROTEIRO DOIS” antes do próximo encontro do seu Grupo de Formação.


copyright@ NEUZA ZAPPONI-MELLO, 2016

CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Neuza Zapponi de Mello

     Escritora; palestrante; facilita cursos de autotransformação (reforma íntima) e formação de trabalhadores espíritas. Filiações de trabalho: Federação Espírita do Distrito Federal (FEDF) e Comunhão Espírita de Brasília. Profissional por quarenta e sete anos em Psicologia e Educação. Vasta experiência no atendimento a pessoas em sofrimento profundo (perdas, traumas, crises severas, doenças graves). Professora-doutora aposentada da Universidade de Brasília (UnB). Ex-professora da University of Texas (USA).

MULTIPLICADORES DE FORMAÇÃO
Luiz Fernando Marques
Márcia Elise B G Almeida
Moisés Shalon G de Almeida
Rívea F Maia
Ruth Meireles Daia

 FEDF (DAE) – MEMÓRIA 10 ANOS: 2006-2016
FORMAÇÃO DE TRABALHADORES EM ATENDIMENTO FRATERNO
Clique na imagem para ver o arquivo