ATENÇÃO! 2a. EDIÇÃO DO LIVRO BASE DISPONÍVEL! NA LOJA VIRTUAL DA FEDF - clique na imagem

MEU IDIOMA

ptafarcazh-CNhrenfrdeeliwhiidgaitjakoplruesuk

CADASTRE-SE

SITES RELACIONADOS



FORMAÇÃO CONTINUADA
EM ATENDIMENTO FRATERNO PELO DIÁLOGO
PROGRAMA JORNADA FRATERNA

COMPREENDENDO O SOFRIMENTO HUMANO

“Provas, aflições, problemas e dificuldades se erigem na existência como sendo patrimônio de todos. O que nos diferencia, uns diante dos outros, é a nossa maneira peculiar de apreciá-los e recebê-los”.
Emmanuel (Espírito)

       Quando alguém chega ao Atendimento Fraterno demonstrando grande sofrimento ou envolto em situação de conflito existencial profundo, geralmente é portador de uma situação específica, que pode variar de pessoa a pessoa. No entanto, estados de grande sofrimento implicam em características íntimas bastante comuns a todos os indivíduos.
 
       A compreensão dos aspectos gerais do sofrimento humano ajudará você a manter sua postura interna compassiva e misericordiosa, enquanto trata dos aspectos específicos da dor da pessoa em particular. Essa visão mais inclusiva ajudará você a conduzir o Diálogo Fraterno de forma mais consoladora e fornecerá bases para algumas medidas práticas de encaminhamento construtivo da pessoa em sofrimento.

Características Gerais do Estado de Sofrimento

         Quando algo que não desejamos para nossa vida nos ocorre sem que consigamos evitar, podemos entrar em um processo de não aceitação íntima das circunstâncias daquele momento, desencadeando em nossa intimidade um complexo de reações penosas. Resistimos mentalmente, através de pensamentos de inconformidade ou de fixação na situação sofrida; emocionalmente, através de sentimentos de angústia, aflição e mágoa; e fisicamente, por meio de uma gama complexa de sintomas corporais dolorosos.
        Parte dessa resistência é natural e resulta, de certa forma, do próprio processo de viver em forma encarnada no Planeta. Todos nós, seres humanos, sentimos necessidade de estruturar a nossa vida, isto é, organizamos e ordenamos o nosso ambiente íntimo e externo de forma que o sintamos como inteligível e seguro. Dessa forma, damos um significado para a nossa própria existência e para tudo mais que nos rodeia. Queremos sentir que, por conhecermos a estrutura na qual vivemos, ela se encontra sob nosso controle consciente. Pensamos poder explicar o que nos aconteceu no passado, compreender o que nos acontece no presente e prever o futuro. Isto nos dá segurança de que poderemos controlar acontecimentos desagradáveis e/ou não desejáveis.
         Essa estruturação necessária, porém, é constantemente desafiada pelo próprio processo evolutivo da vida neste planeta. Pois que este é um mundo destinado a experiências de seres em transição e se caracteriza pela impermanência de suas manifestações, ocasionando a contínua transmutação (mudança) de todas as coisas nele manifestas ou existentes. Tudo adquire uma forma (nasce), se desenvolve (cresce), modifica-se continuamente até o momento em que perece naquela forma (morre).
        Assim, como a própria natureza da realidade deste mundo é contraditória com nossos desejos de estruturação, permanência e controle de nossa vida, podemos resistir em aceitar os acontecimentos resultantes das Leis Universais que regem a vida na Terra. Quando algo que não queremos que nos aconteça nos ocorre, podemos reagir com estados íntimos de inconformidade e revolta, gerando sentimentos intensos, pensamentos conflitantes e reações contraditórias. Isto é, sofremos por não aceitação e inconformidade, por desconhecimento das realidades da vida (ignorância), ou por não possuirmos elementos internos de confiança nos desígnios maiores do nosso destino, pois, como nos afirma André Luiz (Espírito), “a intensidade do sofrimento varia segundo a confiança na Lei Divina.”1

        São esses estados de resistência ao inevitável fluxo da vida que se encontram na base de nossas “reações de sofrimento”. Em contrapartida, o estado de bem-estar resulta da capacidade de fluir com as inevitáveis mudanças, em um movimento de contínua evolução nos nossos modos de estar no mundo e viver a vida.

Situações Potencialmente Geradoras de Sofrimento

      Duas situações gerais são potencialmente geradoras de sofrimento, por envolverem ocorrências não desejadas e que não podem ser evitadas ou controladas por nós. São elas: consequências penosas de ações equivocadas do passado e consequências resultantes de ações equivocadas de outrem. Em ambos os casos, sofrimento é consequência, nunca resultando dos fatos desencadeadores em si mesmos. Vejamos cada uma.

       Consequências penosas de nossas ações equivocadas do passado. Estados pessoais e situações dolorosas nos ocorrem como consequências inevitáveis de ações desarmoniosas de nosso passado, desta e de outras encarnações. Talvez as tenhamos cometido sem pensar que acarretariam o atual resultado indesejado. Ou pode ser que até mesmo prevíssemos o que poderia acontecer, mas não tivemos forças para evitar. Essas consequências ocorrem por efeito da Lei de Ação e Reação, como oportunidade educativa de realinharmos nosso mundo interior com as leis da harmonia e do amor Divinos. Podem ser exemplos desses estados: a) perda da saúde, mutilações e/ou doenças que põem em risco a existência no mundo da matéria; b) imersão na desesperança e na apatia por não encontrar o significado de viver; c) situações de conflito, envolvendo dilemas, que demandam escolhas que não se consegue fazer ou efeitos de escolhas que já foram feitas e que geraram remorso, vergonha e/ou culpa, como deserções indébitas de compromissos afetivos assumidos; de ações como aborto; usurpação de direitos alheios; etc.

      Consequências resultantes de ações equivocadas de outrem. São acontecimentos que não dependeram de uma ação nossa, pois foram resultantes de circunstâncias da vida ou ocorreram devido ao livre arbítrio de outrem ou resultaram da programação de vida de alguém significativo para nós. Por exemplo: Morte de um ente querido, com insuportável dor de separação; rompimento de laços afetivos no seio de relacionamentos familiares; conflitos de relacionamento variados: desvios de fidelidade prometida, separações não desejadas, deserções de promessas afetivas feitas em outros tempos... convivência com tragédias e desajustes que afetam entes queridos e ocasionam perda de ilusões de felicidade junto deles ou com eles.

Características Psicoemocionais da Pessoa em Sofrimento

       O sofrimento produz um torvelinho na intimidade do sofredor, que pode impedi-lo de prosseguir construtivamente sua jornada, uma vez que leva a reações intensas e alienantes. Sejam quais forem os motivos pelos quais alguém se encontra em sofrimento, algumas características íntimas se encontram presentes. Comentamos a seguir as mais comuns.

        Desconexão com as fontes de Amor e nutrição para o próprio Ser. O sofrimento é um estado que podemos definir como fazendo parte de um “círculo vicioso”. Isto é, o sofrimento intenso acontece porque em princípio o sofredor perdeu o contato com a fonte Divina do Amor Maior, dentro de si mesmo. E uma vez em sofrimento, apartou-se ainda mais das fontes desse Amor Maior, pois que seu foco de atenção passou a ser externo, centrado na situação existencial que ele imputa como causa de seu sofrimento. E como o foco da Pessoa em sofrimento está fora de si, a sensação é de que está separada, sozinha, isolada e desamparada, o que a leva a uma desconexão com as Fontes Divinas de acolhimento, amparo e fortalecimento. Todo o seu cosmos íntimo se direciona para a questão que a faz sofrer e para a sua incapacidade de impedir ou de ter impedido que o motivo de seu sofrimento acontecesse.
       Nesses casos, a percepção do sofredor é de que uma força muito mais poderosa do que a dele ocasionou a circunstância, seja a ação de Deus, dos maus espíritos, de uma ou mais pessoas e até mesmo de seus impulsos pessoais irrefreáveis. Essa percepção de um poder maior que o seu, capaz de lhe ocasionar sofrimento, leva a uma desconexão também com as fontes de poder interno, acompanhada por uma sensação de incapacidade, de impotência e de menos valia, desorientando a Pessoa quanto aos recursos pessoais que possui para lidar consigo mesma e com a situação.
        Desconectada das fontes do Amor Divino e do seu poder interno, a Pessoa em sofrimento se desliga também das fontes de amparo vindas do próximo. O acontecimento não desejado tem o efeito de intensificar a sensação de separação dos outros, pela impossibilidade que a Pessoa percebe de que o outro compreenda a intensidade de seu sofrimento. A Pessoa entra em sensação de isolamento e de separação de tudo e de todos, como se estivesse “à mercê” de forças externas impiedosas, impassíveis e sem misericórdia.
        A desconexão ocorre até quando ela procura ajuda em desespero, como nas orações. Em princípio esta é sempre uma prática essencial, de extraordinários efeitos para amenizar as dores da alma. Nesse caso, porém, a Pessoa não dá abertura para que a verdadeira ajuda a acesse. Em seu desespero impotente, ora com um objetivo externo, centrado no que julga ser o poder causador do sofrimento. Por exemplo, pede que uma força maior faça com que alguém que a abandonou volte para ela. Às vezes isto não é possível, por depender da vontade da outra pessoa, ou mesmo porque pode não ser o melhor para ela. Dessa forma, não consegue uma conexão com as forças maiores, não recebe aquilo que pediu e a oração não lhe proporciona alívio. Sente-se abandonada e, frequentemente, desiste.
        A sensação de separação e isolamento ocorre também quando a pessoa não consegue encontrar explicação, causalidade ou significado no que aconteceu. Esse estado interior confuso leva a pessoa a se crer sem forças e sem recursos para sair do campo de sofrimento que, lhe parece, será eterno. Sente-se sem forças para encontrar soluções e impotente, frágil e vulnerável frente às forças externas que crê maiores que as suas, inexoráveis, imprevisíveis, incoerentes e definitivas.

        Percepção de encurralamento, de se encontrar sem poder de escolha. A desconexão com os poderes maiores da Vida faz com que a Pessoa se enclausure em um circuito fechado de vibrações, do qual ela não vê a saída. Esse circuito de vibrações é composto de sensações, emoções e sentimentos intensos e penosos, pensamentos conflitantes e reações aparentemente contraditórias. Sua possibilidade de enxergar alternativas de solução para sua questão desaparece face ao que lhe parece uma situação sem outra opção que não o mergulho no sofrimento. Sente-se presa, impedida de utilizar seu livre-arbítrio para realizar outra escolha. Essa percepção de encurralamento torna difícil o contato com o significado pessoal profundo do que lhe está acontecendo, assim como a impede de intuir caminhos consonantes com os propósitos de sua alma para esta encarnação.
       Dentro desse circuito fechado, geralmente o estado mental da Pessoa apresenta-se como uma repetição de padrões, governados por uma monoideia (ideia única, repetitiva). Emocionalmente, há um alternar cíclico de reações acompanhadas pelas sensações corporais correspondentes a elas, de forma constante e intermitente. Uma forma de descrever esse estado é dizer que as emoções “chegam em ondas”, à medida que as ideias-padrão se repetem, em uma analogia com a movimentação de ir e vir das águas do mar. Esse estado de alternância dos “picos de sofrimento” pode ser facilmente observado nas pessoas em luto, quando o “complexo de reações de perda” se encontra em sua fase mais aguda.
       O efeito limitador da vontade (desânimo, sensação de impotência) acompanha a pessoa porque toda situação muito forte de vibrações intensas cria um campo magnético que “prende” a pessoa, seja porque foi muito repetido ou porque foi muito traumático. Por exemplo, a pessoa que cometeu um ato pelo qual se censura, geralmente cria uma “situação vivencial de culpa” que a acompanha vividamente por onde quer que vá, repetindo-se interminavelmente. (quem sabe esta seja a origem do ditado de que a pessoa sempre acaba atraída para o local do crime). A Benfeitora Espiritual Joanna de Ângelis denomina este estado de “consciência de culpa”, explicando que “o importante não é a quem se faz o bem ou o mal, e sim, a ação em si mesma, em relação à harmonia universal.”2 Isto é, a perturbação da harmonia universal é que se constitui o fator que, de fato, limita a Pessoa.
        O circuito fechado de vibrações acontece também em situações de sofrimento por trauma, porque essa circunstância acarreta consequências para a estrutura do períspirito do sofredor. Como, por exemplo, ocorre com os suicidas que geralmente ficam presos no complexo de reações consequentes ao ato de matar seu corpo físico.
       Já nas “reações de perda”, a Pessoa fica presa a um estado de não aceitação do ocorrido, que impede que ela elabore uma nova situação para se libertar do sofrimento.

        Deslocamento de percepções: temporal e espacial. O sofrimento leva a um deslocamento de percepções, impedindo que a Pessoa possa encontrar caminhos atuais para minorar a sua dor.
        Pode acontecer um deslocamento espacial, no sentido de que todas as percepções da Pessoa em sofrimento são voltadas para fora, para o fato, situação ou pessoa causadoras do sofrimento, ou ainda para o que ela mesma fez ou como agiu, impedindo que ela reconheça e cuide de seu mundo interior. A Pessoa pode também buscar soluções fora de si mesma, como, por exemplo, para bloquear sua dor: medicamentos para dormir ou tentar se entorpecer com alguma medida externa, como trabalho, viagem, vida social intensa, sexo promíscuo. Ou pode centrar o foco de seus pensamentos em alguém que se foi, em um questionamento constante do porquê esse alguém fez isto ou aquilo, ou o quê esse alguém está fazendo no momento, ou irá fazer no futuro ...
       Pode haver também um deslocamento de tempo. Preocupações com o futuro, principalmente o medo do futuro ou incertezas, por exemplo, sobre como irá viver sem aquela pessoa que se foi, como será a vida na situação que se criou, como viverá com a culpa pelo que fez, etc. O deslocamento pode ser também para o passado: se foi feliz, o sofrimento é pela felicidade perdida; se houve conflito e penas, pode sofrer por não ter sido melhor, pelo tempo perdido, pelo que não fez, pelo que fez, pela esperança não realizada, etc. Em suma, há um deslocamento do presente, do que realmente a pessoa está vivendo ou pode viver no momento e/ou de como está se sentindo, do que necessita para seu consolo material, espiritual, emocional...
        Em outro exemplo, a pessoa pode se insular na situação de culpa, para se recriminar e se condenar pelo que fez ou deixou de fazer, podendo entrar em sentimentos de vergonha ou de desvalia; pode se isolar por temer a condenação, o castigo, as consequências do que fez; ou se apartar da realidade por não aceitar a própria situação que se criou...
       E isto tudo a separa das fontes de auxílio, internas e externas. Ela não consegue contato consigo mesma para procurar fontes de recursos que diminuirão o seu sofrimento.

         Dificuldade para estar em contato e atender aos propósitos profundos de seu Espírito para esta encarnação. Geralmente a pessoa em sofrimento não acha um significado para o que está acontecendo. Tudo para ela é muito inexplicável, muito sem sentido. Isto se expressa no choque e dificuldade em aceitar que o acontecido tenha realmente se passado. Este estado se mostra em expressões como: “Não consigo entender como isto pode acontecer”; “Como eu não consegui ver o que estava acontecendo”?; “Como Deus permitiu que isto acontecesse”?; “O que eu fiz para merecer esse estado de coisas”? “Depois de toda a minha dedicação, como isto pode ter acontecido”?

Reações Humanas Comuns nos Estados de Sofrimento

      A pessoa em sofrimento profundo pode apresentar de uma a múltiplas reações simultaneamente. Relacionamos abaixo uma síntese das reações humanas mais comuns, que agrupamos para efeito de estudo.

        Luta interna, revolta, inconformismo - É um estado interior de luta, no qual emoções penosas assaltam a Pessoa em sofrimento porque ela é compelida a aceitar - contra seu desejo - atos (de alguém ou dela mesma), sentimentos, emoções, ou uma condição ou situação que não quer que estejam presentes em sua vida. A mente se recusa a aceitar o que aconteceu, entrando em luta contra a realidade. Instala-se um estado de revolta ou de não aceitação, não conformação. Exemplos: A morte de um filho ainda jovem e o abandono ou traição de votos amorosos pela pessoa amada são situações potencialmente geradoras de luta interna.

        Sentimentos de desesperança, de impotência - Podem resultar da resistência em deixar seguir o fluxo da vida imposto por uma mudança não desejada, mesmo que esta mudança seja parte de ciclo natural da vida. Essa incapacidade de controlar a vida leva ao estado de vulnerabilidade que pode ser sentido como desesperança ou, em outras palavras, de que “não há nada que se possa fazer para melhorar a situação”. Exemplo: Consequências do processo de envelhecimento; morte de pessoa provedora; decisões profundamente perturbadoras tomadas por outra pessoa, como um filho que se envolve com drogas ou com o crime... Filhos que eram a razão de todas as atividades significativas e que deixam o lar para constituir sua vida independente, ocasionando a chamada “síndrome do ninho vazio”...

     Conflito interno, dilemas existenciais - Podem advir de uma crise ou um conflito onde dois ou mais desejos se opõem. Exemplo: Relacionamentos conjugais onde tanto ficar como sair da relação constituem situações não desejadas, envolvendo uma complexidade de fatores estressantes e geradores de sofrimento.

        Reações de apego; conflitos de vinculação – São reações de sofrimento que ocorrem porque a Pessoa sofredora não se conforma em “deixar ir” ou “abrir mão” de algo ou alguém a quem está apegada (não aceita emocionalmente a separação). Quando a separação é imposta pelo livre-arbítrio de outrem ou pela natureza da própria existência neste planeta, o nível do apego determina a intensidade das reações de sofrimento decorrentes. Geralmente essas reações formam um complexo que tem significado de “perda” para a pessoa que as vivencia. Esse complexo é composto de reações mentais, emocionais e físicas próprias do estado de sofrimento intenso, razão pela qual foi denominado, pela área técnica que trata desse tema, de “reações de perda severa”. É necessário observar que aqui estamos tratando de “apego” e não da qualidade do amor devotado ao objeto de apego. O apego é relacionado a necessidades de “possuir” o objeto do apego, isto é, ter contato, usufruir de relacionamento presencial, domínio, direitos ou poder sobre... Embora tanto o amor como o apego possam estar presentes na situação, constituem estados íntimos distintos. No processo de “cura” do sofrimento pelo apego, é geralmente a conexão com a qualidade do amor que faz com que uma pessoa “abra mão” do objeto de seu apego, deixando fluir a vida e se libertando das “reações de perda”. Quando isto acontece, a qualidade do amor se torna consoladora da perda da presença (separação) e pode impulsionar um estado de ternura, paz e gratidão pelos momentos usufruídos junto ao objeto desse amor, dentre outros sentimentos e impulsos altruístas e confortadores. Ao processo que ajuda a libertar a qualidade do amor das opressões do apego chamamos “aceitação dinâmica”. A aceitação dinâmica se diferencia da acomodação ou da aceitação por desalento. Quando esse processo acontece a Pessoa gradativamente aceita que, embora não desejasse a separação que ocorreu à sua revelia, esta faz parte do processo de viver neste plano da Vida. A Pessoa pode, assim, deixar fluir os conteúdos reativos que a mantinham em sofrimento e libertar-se para o amor livre do apego.

        Reações de carência por necessidades não satisfeitas - O sofrimento pode ser oriundo da frustração do desejo de segurança, de estabilidade, de provimento permanente de carências físicas e afetivas. Em geral, a Pessoa em carência por necessidades não satisfeitas não sabe ou não consegue se prover para a satisfação de suas necessidades mais íntimas e espera que o mundo lhe forneça condições para esse suprimento. Esta situação de desejos e expectativas não satisfeitas leva invariavelmente a momentos de sofrimento. A Pessoa em sofrimento deseja estabilidade, porém tudo é temporário e transitório em sua existência, assim como na de todos nós, seres humanos encarnados neste planeta. Porque se o impulso é conservar, reter o que foi estruturado, a própria evolução leva à necessidade de mudança, de deixar seguir o fluxo da vida. Por exemplo, alguém deseja que outrem esteja consigo, satisfazendo suas necessidades de afeto e ele/ela se afasta ou parte para outra dimensão da vida... A pessoa idealizou um tipo de vida ou relacionamento e constata que essas expectativas não se realizaram: por consequência, sofre...

Para continuar seus estudos desta área, retorne ao menu sobre o Sofrimento Humano e clique em outro item de interesse.


1 ANDRÉ LUIZ (Espírito). Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Conduta Espírita. 7. ed. Cap. 35, “Perante a Enfermidade”.
2 JOANNA DE ÂNGELIS (Espírito). Psicografia de Divaldo Pereira Franco. Momentos de Consciência. Salvador, BA: LEAL. 1992. Cap. 6, ‘Culpa e Consciência’, p. 47.

CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Neuza Zapponi de Mello

     Escritora; palestrante; facilita cursos de autotransformação (reforma íntima) e formação de trabalhadores espíritas. Filiações de trabalho: Federação Espírita do Distrito Federal (FEDF) e Comunhão Espírita de Brasília. Profissional por quarenta e sete anos em Psicologia e Educação. Vasta experiência no atendimento a pessoas em sofrimento profundo (perdas, traumas, crises severas, doenças graves). Professora-doutora aposentada da Universidade de Brasília (UnB). Ex-professora da University of Texas (USA).

MULTIPLICADORES DE FORMAÇÃO
Luiz Fernando Marques
Márcia Elise B G Almeida
Moisés Shalon G de Almeida
Rívea F Maia
Ruth Meireles Daia

 FEDF (DAE) – MEMÓRIA 10 ANOS: 2006-2016
FORMAÇÃO DE TRABALHADORES EM ATENDIMENTO FRATERNO
Clique na imagem para ver o arquivo